94 mortos compraram mais de 16 mil munições para armas de fogo durante o governo Bolsonaro - Estadão