Por que vemos gênios e loucos de forma apaixonada? | Carreira | Valor Econômico